2 anos de Londres

Há dois anos cheguei em Londres de vez. Passou rápido? Devagar? Acho que passou exatamente na velocidade que tinha que ser: a minha.

Os primeiros meses foram muito difíceis sim e os últimos foram intensos e corridos.  Morar fora do Brasil não é glamouroso como muitos pensam e envolve sim uma longa fase de adaptação e aprendizagem. É um recomeço: começar tudo do zero. Mas já contei bastante sobre tudo isso lá no #paposobreautoestima do Futilidades.

Se a exatamente um ano atrás me perguntassem “E aí? Tá adaptada?” ou “E aí? Você ama morar em Londres?” – a resposta seria confusa. Eu ainda não tinha uma resposta firme. Era muita saudade, muito frio, baixa auto-estima, indefinição da vida profissional – além de todos os desafios práticos do dia-a-dia.

Hoje eu respondo com mais segurança: é uma montanha-russa. E eu já mudei para a primeira fila e levanto os braços na hora da decida. Ainda tem seus altos e baixos, claro.  Mas adoro adrenalina, os desafios e o mais importante: estou feliz.

O processo de adaptação não se resume só ao clima ingrato da Inglaterra.  O meu maior processo aqui foi sem dúvidas relacionado aos outros.Preciso de gente, sou uma pessoa de pessoas, de relacionamentos. Não é à toa que vim parar aqui por causa de alguém. <3 

Mas deixar meu ciclo de amigos e família foi um grande desafio. Aliás, ainda é. Mas fui encontrando a melhor maneira de me manter próxima e presente na vida de cada um. É um esforço que precisa ser feito dos dois lados. Com alguns funciona melhor do que com outros. Mas descobri que a distância é apenas física e que posso sim estar presente desde os pequenos momentos do dia-a-dia até os momentos mais importantes.

Muitas vezes dói não estar para ver um bebê nascer ou ir em um casamento. Mas também dói não estar para aquele café no dia chuvoso ou para dar aquele mergulho na praia. Mas aí a criatividade vai longe e a gente arruma nossa maneira de almoçar juntos, imprimir foto em tamanho real e ir nos aniversários e contar as novidades por áudios longos. Sim, virei a louca dos áudios e eles jamais terão menos de 30 segundos.

Mas fazer um novo ciclo de amigos e família aqui também foi um desafio. E mais uma vez, ainda é. Tem gente que eu já conhecia do Brasil e que ganhou um novo significado por aqui. Tem gente que eu conheci aqui e que virou família. Sei que sou uma pessoa fácil de fazer novas amizades – sorte a minha. Mas passei a ser a louca das amizades. Aceito qualquer convite para tomar um café com alguém novo. To sempre agitando encontros, passeios e sempre que arrumo motivo: alguma coisa aqui em casa. De preferência que envolva comida brasileira vegetariana.

Mas o fato é que a vida por aqui é muito melhor porque consegui me cercar de pessoas queridas. Já me despedi de muitos mas sempre tem gente nova chegando. Londres é assim mesmo. Mas o fato é que essas pessoas todas que passaram (principalmente as que permanecem) nesses últimos dois anos, fizeram e fazem toda a diferença. Fica aqui o meu MUITO OBRIGADA!

O que mudou? Acho que 20 graus é calor. E que 2 graus não é tão ruim assim. Eu uso menos casacos do que quando cheguei. Uso mais tênis e nunca usei salto desde que mudei pra cá. Mudei a bolsa de ombro pela bolsa carteiro. Falo com mais sotaque britânico do que americano. Repito sem pensar: Excuse me, sorry, please, thank you, cheers.  Ando de bicicleta no meio dos ônibus (ainda com medo). Faço minha própria unha. Sou mais pontual. Faço reservas. Tomo água de côco de caixinha.  Não saio de casa sem checar a previsão do tempo. E aprendi que dia chuvoso não significa ficar em casa. Mas isso é papo pra outra hora. Aprendi muita coisa e sigo aprendendo.

E o que não mudou? Tudo que escrevi aqui, nos meus primeiros meses de Londres, continuam sendo verdade. A cidade é inesgotável. Um filme cheio de histórias, de pessoas, de cultura, de lugares para conhecer, de gostos para provar. Continuo encantada pelo som dos passos no metrô e meu lugar predileto ainda é Southbank.

Londres é movimento. E a velocidade que eu vivo ela é a minha. Às vezes acelero, às vezes freio e diminuo o ritmo. Mas nunca paro. Nem quero! E vem comigo, que ainda tenho muito pra desbravar!

Feliz 2 anos para nós, Londres!

Beijos,

Ju

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.